sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Esperas

Como substantivo, não como verbo.

O significado da espera é muito relativo. Sim, consciente e/ou inconscientemente estou esperando coisas. Aguardando datas, respostas, definições e resoluções. Esperando pelos dias 26, 30, 02, 06 e mais alguns outros... Pra cada dia, um objetivo diferente.

O fato de dizer que estou vivendo a espera desses dias não quer dizer que estou enclausurada em uma sala riscando os quadrinhos de um calendário. Até porque fazer isso significaria matar o tempo presente e viver em função de um futuro que nem sei se me trará coisas boas.

E além disso, tem uma outra questão: querer que o dia 02 chegue, por exemplo, é ao mesmo tempo querer que minhas férias terminem. Desejar a definição do dia 26 (ou 27) é dar minha cara a tapa mais uma vez e correr o risco de sofrer. Again.

Mas como um ser introspectivo que estou essa semana, fiquei pensando nessas coisas. Será que às vezes a gente cansa de lutar e se deixa levar ? Imaginem um mar. Um barquinho à deriva. Um homem dentro. Em algum momento esse homem vai se cansar de remar à toa, relaxar e deixar a coisa correr, a maré vai levá-lo para algum lugar. Tem que levar... Porque nada fica parado no mesmo ponto...

Sei que isso vai de encontro aos meus últimos textos, mas de domingo pra cá estive pensando muito em algumas situações da minha vida e cheguei à conclusão que existem algumas coisas que simplesmente não estão ao alcance das minhas mãos. E por isso mesmo, não adianta eu me debater, gastar energia em vão.

Estou assim, ao gosto das ondas. Posso ouvir o barulho e sentir o cheiro do mar. Talvez, a minha única participação nesse momento seja manter-me viva até o dia do desfecho... manter-me viva até a maré me deixar em algum lugar seguro. E só.

Talvez eu tenha entendido que pensar e especular sobre assuntos vindouros não vai mudar a solução final, não vai mudar o rumo da prosa. Ou ainda pior, pode alterar mas não de forma definitiva. Alterar a rota poderia fazer com que não desse certo. Mais uma vez.

E eu juro, dessa vez quero resultados reais, não apenas maquiagem...

Um comentário:

Gyoto disse...

É que não fazer nada, quando SE ESCOLHE não fazer nada, é diferente de simplesmente se deixar levar... Adorei!! Bjs