sábado, 21 de março de 2009

Arquivos e memórias

Numa conversa com uma amiga, eis que surge a pergunta: “Elem, você já teve vontade de apagar a sua memória como no filme Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças ?” Sim, amiga, já tive essa vontade. Milhares de vezes. Centenas de milhares de vezes. E é sobre isso que escreverei hoje.

Muitas vezes pensei nisso, muitas vezes quis apagar minha memória, o período entre 2003-2006 então, meu Deus... todos os dias... sempre pensava nisso... Até que um dia parei para analisar e percebi que na verdade eu queria jogar fora três anos da minha vida por causa de uma única pessoa. E descobri que não, ninguém tem esse poder, ninguém pode ser mais importante do que os anos da minha (ou da sua) existência.

Pra ser sincera, eu também não confio muito quando dizem que o tempo apaga tudo. Apaga nada. Continua tudo lá, igualzinho. A diferença é que coisas novas vão se amontoando por cima e o que se queria apagar acaba ficando escondido por trás das novas informações, objetos e etc. Armários novos são colocados na frente dos velhos e isso faz com que esqueçamos os que estavam lá anteriormente. Mas se você procurar, vai achar. Tudo. Todos os arquivos ainda estarão por lá. Empoeirados e terrivelmente iguais. Por isso, resolvi que eu não precisava deletar tantos dias, o que eu tinha que fazer era colocar novos armários até que os antigos sumissem. Pelo menos do meu campo de visão. Se deu certo ? Depois de 6 anos tentando entulhar coisas por cima, acho que sim. Mas olha... foi um árduo trabalho.

Hoje em dia não desejo mais apagar nada. Sei que com o tempo, tudo cai no esquecimento. O meu único questionamento é o tempo que demoro para abandonar um projeto ou uma pessoa. Não necessariamente nessa ordem. Confesso que às vezes tenho vontade de apagar algumas coisas, alguns arquivos defeituosos, algumas dores e talvez algumas alegrias também... Sinto um desejo incontrolável de apagar sons de risos e choros, apagar vexames e brigas bobocas. Mas sei lá.. apagar anos inteiros.. não sei, acho que seria demais. Muita coisa seria jogada fora... E o “demais” peca pelo excesso...

Um amigo disse: “somente pessoas sem graça e sem emoção não têm nada pra se arrepender ou pra se orgulhar”... É, acho que é por aí mesmo... Apagar coisas ? Todo mundo já teve essa vontade na vida. Isso não é difícil de encontrar. Seria simples se fosse assim: não gostei, deleto. Difícil mesmo é conseguirmos, apesar de tudo, não apagar e convivermos bem com a lembrança dentro de nós. Afinal, temos que pensar na velha filosofia da comida que cai no chão: o que não mata, engorda.

Sendo assim, engordemos todos e vivamos felizes com nossos arquivos até chegar o dia que inventarão uma máquina como a do filme... Até lá, a gente vai colocando armários mesmo... rs
Que assim seja.

Beijos a todos!

4 comentários:

Marcia disse...

Tá bom, exagerei, eu não queria apagar TODOS aqueles anos, só algumas lembranças deles. Era isso que acontecia no filme, apagava-se determinadas lembranças, as demais continuavam. Acho que vão inventar essa máquina logo, logo.. Pq os "armários novos" não estão conseguindo esconder os velhos...

Lydice disse...

Quero acreditar que tudo o que acontece ao longo dos anos, deixam alguma coisa para ser aprendida!!
mas tambem gostaria poder apagar certas lembranças, botei um monte desses armarios novos que voce fala!! ainda assim acho que leva uma vida poder juntar tantos armarios novos!!!rsrs
adorei o post...

Anônimo disse...

Eu concordo com o seu post e acho q
o passado nao deve ser esquecido e sim recordado,pois as vezes mesmo passando por momentos dificieis talvez se nos nao tivesemois passado por essas coisas nunca iriamos aprender e ser oque somos no presente e claro q vivendo o presente vamos semnpre,sempre melhorrar e aprender no futuro

ass:THAUANNY COUTO MARINHOO

valeuu profffffffffffff !!!!!!!

Confições de uma Adolecente em Crises :) disse...

tá certa, tudo acontece pro nosso crescimento, talvez se você nao tivesse passado por aquilo não seria assim! Texto demais, adorei.