quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Coragem

Eu sei, não deveria escrever nem mais uma linha sobre esse assunto. Este é o terceiro texto do dia, mas não consigo evitar.
É uma aflição que me domina, um medo, uma ansiedade, uma vontade de gritar ao mundo o que sinto... uma vontade de te falar com todas as letras e palavras, em linhas e entrelinhas, tudo o que vem se passando na minha cabeça nos últimos dias.
A conversa me desestabilizou, como se eu já não fosse desestabilizada o suficiente... O mundo me manda controlar as emoções, segurar a minha onda, mas eu não sei fazer isso... Refrear emoções é algo perigoso, lembra uma represa que a qualquer sinal de vazamento pode ruir e despejar toneladas de água em cima de um vilarejo... Não sou comedida, não aprendi a ser, não sei usar doses homeopáticas para expressar o que desejo... não sou desse tipo finesse q senta com pernas e mãos cruzadas e dizem "seria uma honra"... eu sou do outro tipo, daquele que te olha nos olhos, com fúria, e verbaliza cada sentimento, aquele tipo que sangra em qualquer conversa porque prefere morrer do que deixar o que quer que seja subentendido... Sou assim, e me angustia não poder lhe dizer, de forma clara e objetiva, tudo o que se passa aqui. Atordoa-me não poder te perguntar e ouvir a sua resposta torta ou torpe, só queria te fazer entender o quão explosiva eu sou, o quão quente e que isso não é mau... sou fogo, sou vento, sou tempestade em seu copo de água... Mas um sentimento novo me atinge em cheio: o medo. Medo não do meu jeito, mas medo que você descubra que sou assim, e descobrindo, medo de que não goste... Que prefira aquelas da finesse... Será que você entenderia que consigo me comportar em público??
Coração aperta no peito, vontade de gritar, chamar, voar. Voar seria perfeito para mim, porque há tempos que não caibo mais neste meu pequeno espaço limitado...

6 comentários:

Anônimo disse...

Coragem... de escrever e de postar...
Adoro teus textos!
By Rafa!

Jenny Caramori disse...

Meu deus. 2 semanas fora, e o mundo já vira de cabeça pra baixo. Porque esta angústia, essa incerteza.. esse medo?
Te adoro/admiro/amo. beijos Bocheeeecha.

Rê disse...

Realmente este espaço está pequeno p ti. Muita emoção na forma de palavra! Lendo o texto, até me lembrei de uma música da Legião Urbana, mas deixa p lá. Segura a onda, guria. ótimo texto, como sempre! bjuuu

Elem disse...

É só invenção.... nada é real.... rsrsrrss

Rê disse...

Ok, assim fico mais tranquila, rsrs... Afinal, o poeta é um fingidor, né? Se o Fernando Pessoa disse, então tá dito, mas que ele livrou a cara de mt escritor por aí, ah... C certeza ele livrou, kkkkk... Desculpa perfeita! bjãooooo, Amo-te!

Anônimo disse...

ai ai.. vooooooooar!
ricardooo