terça-feira, 12 de outubro de 2010

Raciocínio lógico

Esta semana encontrei uns blogs femininos mto engraçados e analisando os relatos alheios, percebi que há quase uma unanimidade nos assuntos referentes ao sexo. Especialmente no que tange o sexo com o sexo masculino. Fiquei pensando, escrevo ou não sobre isso? Resolvi: escrevo.

Há alguns anos a mulher vem conquistando seu espaço na sociedade... e essa luta trouxe alguns "benefícios", como por exemplo, as independências financeira, profissional e sexual. A mulher de hoje trabalha fora, gasta seu dinheiro com futilidades, viaja com as amigas, tem filhos quando bem entendem, escolhe casar ou não, sai da casa dos pais para morar sozinha, toma iniciativa nas paqueras e faz sexo apenas por diversão. E é para este último quesito que minha atenção se voltará.
Hoje é normal - e por que não dizer natural - a mulher tomar iniciativa quando está a fim de um cara. Até aqui, nenhuma novidade. Sim, e ela também tem peito suficiente para admitir que tem desejos e necessidades físicas como o sexo, assim como os homens sempre pregaram ter. Justamente por isso, a mulher também passou a encarar o sexo casual como algo inerente ao ser humano, seja ele de qual gênero for. Ok, todo mundo sabe disso... mas lendo esses blogs que citei aí em cima, me dei conta de uma coisa que eu nunca tinha parado para pensar.
Pois bem, se a mulher conquistou toda essa liberdade, o homem ficou onde nesse rolo todo? Em que tempo o homem ficou parado enquanto a mulher alcançava toda essa independência? Não sei. Mas comecei a pensar sobre isso... Se antes o homem era aquele que simplesmente cumpria sua obrigação de "pegar-aquela-mulherzinha-que-está-dando-mole" , hoje ele pode se dar ao luxo - assim como as mulheres - de negar essa mesma cidadã. Como assim? Explico. Antes funcionava assim, apenas o homem tomava a iniciativa nos relacionamentos, sejam eles de qualquer fim, logo, cabia à mulher o papel de aceitar o cortejo ou negar o pedido do macho-alfa-dominante. Hoje, com as mudanças da modernidade, com a mulher tomando a iniciativa da transa ou paquera, o homem passou a assumir um papel antes essencialmente feminino: negar. Ou pior, fazer doce.
Pensa comigo: hoje todo mundo concorda com o fato de que uma mulher chamar o cara para sair não quer dizer que ela queira casar e ter filhos com ele. Às vezes, e muitas vezes, ela só se sentiu atraída e quer algo que na maioria das vezes ele também quer... mas acho que ainda permanece no subconsciente do homem que se uma mulher chega nele, ela deve estar desesperada pra casar ou quer dar o golpe da barriga... Ora, ora..... que coisa mais idiota. E aí, o que ele faz?? Não faz: ele simplesmente SE FAZ. Aff...
Outro fenômeno comum: a mulher toma a iniciativa, chama o cara pra sair e sai com ele. No tico e teco masculino, ele ainda precisa engambela-la, afinal, ele é - e continua sendo - o homem da relação. Então o que ele faz? Ele fica com a mulherzinha em questão e promete mundos e fundos para ela: promete ligar, promete sair pra jantar, jura que nunca sentiu tanta perfeição com alguém, e essas promessas todas que os homens adoram fazer mas que são INCAPAZES de cumprir. Até aqui beleza. Só que quando o dia amanhece, esse cidadão-candidato (porque só promete) simplesmente some. Fico me perguntando: por que ele precisava fazer esse teatro todo?? A moçoila em questão já estava "conquistada"... ele não precisaria gastar tanto latim... É difícil entender isso? Ela não saiu com ele pensando: "vou para a cama com ele e depois virarei namorada, depois noiva, depois esposa, depois terei três filhos..." Não!!! Ela simplesmente pensou que ele é um cara maneiro, bonito, atraente e alguém com quem provavelmente seria bom manter um contato mais íntimo. Ponto. Agora, venhamos e convenhamos, se no meio da calibragem ele resolve fazer as tais promessas... possivelmente ela acreditará e xingará o rapaz quando ele sumir no dia seguinte. Contraditório? Não, nem um pouco... Ela queria sexo ou então mtos beijos na boca. Ele inventou de fazer promessas... Ora pois, se prometeu, então que cumpra, concorda? Afinal de contas, não foi ela que prometeu lavar as cuecas dele para todo o sempre em troca de uma noite caliente.
Eu sei, eu sei... mulheres são seres sensíveis e elas acreditam nas promessas vazias de qualquer um... Um "nossa, você é perfeita pra mim" desarma qualquer mulher e a torna altamente vulnerável. A minha pergunta é: por que o cara precisa falar esse tipo de coisa se ela já está na dele? Ele não precisa, entende?? Mas se fala... aí ferrou... por que a mocinha indefesa vai acreditar. Fato. Por mais moderna que ela seja, no dia seguinte ela vai dizer "aquele FDP disse que ia ligar e não ligou... Cachorro." Não seria muito mais fácil se todo mundo cumprisse apenas o seu papel? Claro que seria... Eu quero você, você me quer... Ficamos juntos. Pronto... Qual a necessidade de ficar com esses papinhos idiotas? "Olha, acho que estava escrito nas estrelas... a gente tinha mesmo que se encontrar... " Repito, quanta idiotice.

Enfim. Deixa eu voltar pro tema então. A questão é que sim a mulher tem avançado cada dia mais, especialmente no que diz respeito à sua sexualidade e feminilidade... Mas e o homem, será que ele está acompanhando essas mudanças todas? Será que eles estão aceitando com naturalidade toda essa independência feminina?? Não sei, acho que não. Claro que se você pegar essas revistas femininas por aí, sempre aparecem as famosas enquetes: "Você gosta que elas tomem a iniciativa?" ou "A iniciativa feminina assusta os homens?" E as resposta são sempre as mais bonitas possíveis, isto é, os homens sempre dizem que adoooram quando as mulheres tomam a iniciativa... mas não sei... isso não tem me convencido. Ou talvez, eles até gostem, mas simplesmente não saibam mto bem como administrar a questão. É, talvez seja isso.

Bom, foi só uma reflexão... nada pessoal, mesmo. É que realmente achei que valia a pena pensarmos um pouco sobre isso... E que fique bem claro: eu acho que todo mundo, homens e mulheres, devem ligar depois... Não sei, mas acho que isso faz parte da educação.... ligar, atender, responder... Tudo isso. Afinal, são dois adultos que tiveram um certo nível de intimidade... e, sendo otimista, se foi bom, vale manter o contato. E se foi ruim, vale mandar um sinal de que não ocorrerá mais. Porque se nada for dito, ficará sempre a dúvida... e a dúvida sabe como é.... faz a pessoa pensar em mil histórias mirabolantes....

Um grande beijo e deixem seus pareceres sobre o tema.. Quero ouvir a opinião de vocês!
Beijos e boa semana curtinha!!

5 comentários:

Dani Gomes disse...

Elem,
Seu raciocínio condiz muito com a realidade do paradoxo enfrentado por nós, mulheres: conquistamos independência, a qual os homens, - diga-se de passagem - declaram admirar, mas continuamos a ser tratadas como as donzelas dos contos de fadas infantis, que vivem única e especialmente a espera de um príncipe que lhes ame, dê casa, comida e pague as contas no fim do mês.
Creio que a "evolução" da situação está mais uma vez em nossas mãos - uma vez que já temos a prova de que evoluir não é uma especialidade masculina. Como? Dizendo NÃO a esse tipo de tratamento!

http://omundoparachamardemeu.blogspot.com/

@ju_liana_lopes disse...

Nossa, nunca tinha parado para analisar dessa forma, mas o que você disse é totalmente verdade! As mulheres evoluem e acompanham a modernidade e os homens... não. rsrsrs
Parabéns pela ótima reflexão!

Beijos

pessoaesdruxula.blogspot.com

Anônimo disse...

Texto ótimo garota, como sempre...

Realmente evoluímos, conquistamos espaço, independência, enfim... vieram tempos de aproveitar cada minuto de nossa existência, de desfrutar da liberdade de escolha e da nossa sexualidade absoluta... e isso tem sido muito bom! Óbvio!

Mas com esta modernidade toda, com esta mulher de vanguarda, que está sempre a frente de seu tempo, fico me perguntando se faz parte também a "vergonha" de dizer que ainda adoramos andar de mãos dadas, que ainda gostamos de ser conquistadas, que ainda gostamos de presentes e flores, que ainda queremos receber convites pra sair, que ainda queremos um bom parceiro (e digo parceiro no sentido amplo, parceiro de tudo, de festas, de carinho, de risadas, de choros, de sexo, de amor...)

Me pergunto sobre tudo isso porque os discursos mudaram ao longo dos tempos... às vezes, parece que o romântico (que antes era considerado perfeito) virou apenas algo careta, parece que o legal é ser "absolutamente desprendida destas coisinhas"... Será mesmo?

Sinceramente, eu acredito na independência que me faz seguir em frente, na dinâmica que me faz alçar novos vôos, na liberdade que me deixa optar, mas também acredito no romantismo que me faz bem, que me faz sorrir sem motivos, que me deixa mais leve... acredito em suspiros, em sonhos... e isso, apesar de ser antigo, não é e não pode estar ultrapassado... porque moderno mesmo é poder escolher ser feliz! Simples assim...

Acho que os valores foram se invertendo sim, porque o homem não acompanhou a evolução. Ou seja, nós tocamos em frente, perseguimos conquistas e eles ficaram olhando (talvez esperando que não conseguiríamos...) Infelizmente, o fato de terem ficado para trás, fez com que continuassem pensando que somos "apenas as mulherzinhas" e que ainda "precisamos" ouvir as mesmas promessas de mil novecentos e antigamente... e isso fez com que deixássemos de acreditar em todo o resto que também pode nos fazer feliz e completas!

Ufa... sei lá... confuso meu pensamento? Enfim...

Vivi Eyng

Julio disse...

Hahahaha... nâo tem como negar que você está coberta de razão. Como você mesma disse, o homem "não evoluiu", os poucos que evoluíram junto com vocês já entenderam que não tem que prometer nada e que "amizades com benefícios" são interesses mútuos.... heheheheh

PS: Com a mudança das mulheres, agora temos a chance de dar uns tocos as vezes, e não dá pra negar que algumas merecem mesmo... hehehehehehe.

Bjs e se cuida.

Anônimo disse...

Ai prof, adorei! Concordo muito com tudo o que você falou. Claro que não tenho toda essa experiência né, ahahaha. Beijinhos, continue com esses textos lindos!

Maria Luiza, 901.